Pular para o conteúdo principal

CBF, FPF: A vergonha do futebol

Pela visibilidade que o futebol recebe das grandes mídias, é comum acompanharmos nas arquibancadas um reflexo da insatisfação política e social dos torcedores (que são cidadãos) durante eventos; estes deixam claro que há algo que incomoda a sociedade em relação a determinado temas. É bem verdade que existem casos que torcedores mais exaltados passam dos limites, mas, no geral, o grito da torcida pode ser também considerado um grito por liberdade. Até mesmo dentro de campo, essa luta faz com quê jogadores e árbitro se tornem um só na busca por direitos e pelo fim da corrupção.


Com cidadãos praticando cidadania e colocando em prática seu direito de se expressar, há, então, o descontentamento com algo que, de um jeito ou de outro, é responsabilidade ou do poder público ou das federações que regem e organizam o esporte. Assim, aqueles que são os alvos dos protestos impõe medidas que fazem de manifestações legítimas uma oportunidade de censurar tais atos.


É através das faixas e bandeiras (e alguns outros símbolos) que a representatividade disso faz com quê as manifestações ganhem voz. Um clássico televisionado, por exemplo, é uma oportunidade para mostrar que há algo errado e que o descontentamento com determinado tema é real. Ainda mais quando é noticiado pelas mídias alternativas ou mesmo pela internet que houve repressão, mostram aos torcedores que não enxergam tais problemas, como algo ruim, afinal, nossa democracia é jovem, e os altos momentos de censura que aterrorizavam a sociedade durante o período da Ditadura Militar, ainda permanecem vivos na cabeça de muitas pessoas.



O que há de errado em criticar a sujeira na política? Ainda mais quando um deputado (que, diga-se, emporcalhou a cidade em época de eleição com seus cartazes em todas as esquinas com um slogan fajuto dizendo-se capaz — um trocadilho infame com seu nome) é acusado de um crime que enoja a todos na sociedade. Ou ainda de uma federação que estraga o futebol mais popular do país e abre as pernas a interesses midiáticos? E o que há errado em criticar dirigentes que, por MEDO DE SAIR DO PAÍS, abandonam eventos oficiais e de acompanhar a seleção nacional em eventos para NÃO SEREM PRESOS? Onde já se viu algo assim?

Não pode criticar, não pode protestar, não pode filmar, não pode gritar... não pode torcer. O futebol imitando a ditadura com desmandos, repressão, assassinatos e censura na reportagem da Revista Placar.

Concordado ou não com torcida organizada, os protestos feitos pela mais famosa do Corinthians - a Gaviões - são extremamente honestos. Claro que, partindo do clube que é o que mais recebe de verba da televisão e o que tem maior número de partidas exibidas em canal aberto, criticar parece ser algo contraditório. Mas é um recado também e principalmente para o clube, afinal este tem que prestar contas ao seu torcedor. O clube acaba dizendo "amém" para todas as vontades da TV fazendo com que o torcedor (aquele que paga ingresso caro, perde transporte público pelos jogos em horários ridículos para um país onde o transporte público é uma piada) seja ignorado nessas decisões.


O Brasil parece que anda na contramão do futebol em outras partes do mundo. Recentemente, torcedores do Liverpool em atitude extremamente inteligente abandonaram o estádio para protestar contra o alto preço dos ingresso e, assim como os torcedores do Borussia Dortmund, reclamando da elitização das arquibancadas. 

Por isso, fica o pedido: #LiberaFaixa. Não às mordaças impostas pelos grandes mandatários do esporte e da mídia! Estes engravatados que pouco se importam para os interesses da população. Por isso, nossa luta por um futebol sem censura.

A manifestação pacífica já é uma marca histórica no esporte. Na Espanha, por exemplo, em que torcedores pedem a independência da Catalunha nos clássicos do Barcelona contra o Real Madrid. Ou os argentinos que ironizam em referência a Guerra das Malvinas em partidas contra a Inglaterra. Ou mesmo os Panteras Negras durante os Jogos Olímpicos México 1968. Ainda, a indignação causada pela FERJ impedindo qualquer tipo de manifestação contrária aos regulamentos e diretrizes do Campeonato Carioca, o que culminou em uma revolta dos jogadores de Fluminense e Flamengo, em que o, na época técnico rubro-negro, Luxemburgo colocasse uma faixa na boca simbolizando o "cala boca" imposto ditatorialmente pela federação.

RELEMBRE - Em 2011, Federação Catarinense de Futebol divulgou nota repudiando e proibindo qualquer tipo de manifestação contrárias dirigidas ao ex-presidente da CBF, Ricardo Teixeira, antes de clássico local. Anos depois, o dirigente está envolvido em um dos maiores escândalos da história do futebol mundial, sendo indiciado pela FBI.

A Federação Catarinense de Futebol vem a publico manifestar seu repudio contra qualquer manifestação ofensiva, realizada em jogos no território de Santa Catarina, direcionada ao Presidente da Confederação Brasileira de Futebol, Dr. Ricardo Terra Teixeira, bem como à própria CBF.

— Nota da Federação Catarinense em 2011.

Então, não podemos ficar quietos. Desde o principio tentam fazer do futebol um esporte elitizado. Passados mais de 100 anos, felizmente ainda não conseguiram. A corrupção que impera há muito tempo em nosso país deve acabar. Seja com faixas ou bandeiras, as torcidas que tomam iniciativa por tal ato merecem todo o nosso apoio e, assim, fazemos o coro para que este grito não cale-se.

Leia Também

 Primeira Liga é resultado da insatisfação de clubes e torcedores

Comentários

Posts mais acessados

Fruto da mercantilização dos Jogos, mascotes são destaques

Uma Olimpíada é marcada por muitos símbolos. Desde que os Jogos conquistaram grande visibilidade mundial, foram instituídos algumas características em cada edição para justamente haver uma identificação única de cada disputa. Nas Olimpíadas, as mascotes são marcas registradas das edições. Adotada pela primeira vez em uma competição de Inverno (em Grenoble, na França, em 1968). Nos Jogos de Verão, o primeiro foi em 1972, nos Jogos de Munique. Em Copas do Mundo, o primeiro foi em 1966. na Inglaterra. A mascote mais lembrada das Olimpíadas, sem dúvida alguma, é o ursinho Mischa, que representou os Jogos de 1980, nas disputas em Moscou. Na cerimônia de encerramento, a imagem formada pelo público nas arquibancadas derramou uma lágrima da mascote, emocionando a todos e sendo marcada para sempre.   Para 2016, a mascote dos Jogos Olímpicos é Vinícius, que homenageia um dos grandes nomes brasileiros de todos os tempos, que é Vinícius de Moraes.  A mascote é inspirada na fauna brasi

7 Livros sobre Futebol no Google Play (4 deles, de graça!)

A tecnologia como parte da nossa vida é uma realidade. Mudamos nossos hábitos e adquirimos novos costumes. O principal deles referente aos nossos hobbies, como, por exemplo, ler . Há quem ainda prefira (e me incluo entre eles) ter o livro físico e guardá-lo como um troféu na estante (tenho alguns bem legais aqui), mas é bem verdade que os ebooks são bem mais práticos e, em alguns casos, seus preços saem mais em conta. As melhores frases do esporte — #OAlanbrado Para quem ainda não conhece os livros digitais (ou não teve a oportunidade de encontrar algo legal para ler), #OAlanbrado reúne uma seleção de livros baratos — e alguns de graça — sobre futebol que são extremamente interessantes e que podem ser encontrados no Google Play . Claro, existem muitos outros livros (e em outras lojas virtuais), mas é bom para, pelo menos, começar a leitura por estes bons títulos. A COPA COMO ELA É: A HISTÓRIA DE DEZ ANOS DE PREPARAÇÃO PARA A COPA DE 2014 Correspondente internac

Álbum de Figurinhas da Euro 2016 é lançado pela Panini

A poucos meses do início de mais um campeonato europeu de seleções, a Panini , em parceria com a UEFA , lança o álbum oficial da competição. A coleção traz todos os detalhes do torneio que será disputado na França e conta com todas as equipes participantes. São 680 figurinhas, distribuídas pelas 96 páginas, que contam história da competição, dos estádios e das 24 seleções participantes. A Panini é a líder mundial de produtos colecionáveis. Criada na Itália, a editora chega a muitos países sendo a responsável, inclusive, pelas principais coleções esportivas, como Copa do Mundo e torneios FIFA , Olimpíadas , e campeonatos nacionais, como o Brasileirão , além das revistas oficiais de clubes. A Euro 2016 será a décima a ter álbum lançado pela Panini . Em relação as últimas coleções, a de 2016 chega com algumas novidades. A primeira e mais evidente é a de número de participantes, que será disputada com 24 equipes (até a última edição, o número era 16). São dedicadas duas páginas