Pular para o conteúdo principal

Que várzea!

Sábado de manhã. Ia andando para um compromisso fora de casa. No meio do caminho algumas pessoas. Ao longe, ouvia-se alguns poucos gritos de incentivo. Teria, mais a alguns minutos, uma partida de futebol.

Um time de vermelho contra um de branco. Fazia muito calor.

Parei por alguns instantes.

Correndo junto aos jogadores, uma figura de árbitro. Nitidamente acima do peso, o apitante tentava acompanhar a bola, sem muito sucesso, afinal, a falta de técnica não ajudava para um jogo lá muito centrado. A bola ia de um lado para o outro, gerando momentos cômicos, para 'tristeza' daqueles que exaltam a qualidade e o "bom futebol".

Afinal, o que seria o "bom futebol"? O que os especialistas julgariam como uma boa partida? O futebol europeu? É, talvez não. Apesar dos bons gramados, dos altos salários e dos estádios de primeiro mundo, o "bom futebol", que representa o esporte em sua essência, é aquele jogado com amor, raça, suor e comprometimento. Aquele que o torcedor joga junto. Qual a graça de torcer para um time que vence sempre de goleada, que disputa um campeonato desigual? E, pior, o torcedor que fica direto no seu smartphone vendo as notícias do dia, sem se importar, na arquibancada, com seu próprio time.

Rodrigo Campos/UOL/Copa Kaiser
O jogo, num campo de terra, estava acirrado (ou parecia estar). Fora de campo, menos de 20 pessoas, gritavam, cornetavam e, com as mãos juntas implorando por coisas boas, acompanhavam o embate. Não havia cobrança de ingresso. Qualquer cidadão que passasse pelo local, diminuía o passo (ou parava por alguns instantes), via um atacante chutando a bola para longe do gol, ria (ou balançava a cabeça reprovando a jogada) e ia embora.

E eu também precisava ir embora. Não pude ficar muito tempo. Na verdade, não era algo inédito. Todo final de semana o pessoal do bairro se reúne para jogar um torneio local. Já eu, que não sou muito de sair de casa, fiquei com vontade de ficar o jogo inteiro. Por timidez e por estar atrasado, segui meu caminho. E o jogo também seguiu.

As histórias envolvendo os campos de terra por todo o país no quase centenário futebol de várzea são muitas. Deve haver histórias ruins, de corrupção, ameaça e tudo mais. Um ex-árbitro, hoje comentarista esportivo, comentou uma vez que foi apitar um jogo numa cidade que, no dia anterior, haviam matado um árbitro em uma discussão futebolística. O negócio é sério.

Mas o futebol de várzea está presente na vida de quem gosta de futebol. Em 2006, acompanhei uma final que tinha no bairro que eu morava. Foi uma experiência incrível. Os batuques, os cantos, a festa das pessoas foi coroada com uma partida emocionante. E o melhor: foi para os pênaltis. Grande momento!


Apesar da falta de técnica, o que chama a atenção é justamente a paixão das pessoas. Vem a pergunta: Como aqueles que estão em campo, correm para a partida "mais importante da sua vida", mesmo sem ganhar muito ou mesmo sabendo que o futuro não é nada positivo em relação a carreira? E é isso que falta no futebol profissional que acompanhamos pela TV. Nossos "ídolos" trocam de camisa toda hora. Não correm. São agenciados por grandes empresários. Vivem rodeado de algazarra, festas e não ligam para o torcedor. Pejorativamente, "várzea" é usado no sentido ruim, para depreciar algo; coisa considerada desagradável.

Então, nesse sentido, o futebol "de várzea" não é tão várzea (ou também seja, mas não como um todo). Várzea é um calendário profissional horroroso. Várzea é jogos acabando na madrugada, tarde da noite. Várzea são dirigentes corruptos e ditadores comandando o futebol. Este futebol que seguimos, gastamos nosso tempo.  Nossas quartas-feiras e tardes de domingo. E aí chegamos a conclusão que este sim é muita várzea.

Leia também


 Jogadores rodados e até onde eles fazem bem aos clubes

Comentários

Posts mais acessados

Fruto da mercantilização dos Jogos, mascotes são destaques

Uma Olimpíada é marcada por muitos símbolos. Desde que os Jogos conquistaram grande visibilidade mundial, foram instituídos algumas características em cada edição para justamente haver uma identificação única de cada disputa.
Nas Olimpíadas, as mascotes são marcas registradas das edições. Adotada pela primeira vez em uma competição de Inverno (em Grenoble, na França, em 1968). Nos Jogos de Verão, o primeiro foi em 1972, nos Jogos de Munique. Em Copas do Mundo, o primeiro foi em 1966. na Inglaterra.
A mascote mais lembrada das Olimpíadas, sem dúvida alguma, é o ursinho Mischa, que representou os Jogos de 1980, nas disputas em Moscou. Na cerimônia de encerramento, a imagem formada pelo público nas arquibancadas derramou uma lágrima da mascote, emocionando a todos e sendo marcada para sempre.  
Para 2016, a mascote dos Jogos Olímpicos é Vinícius, que homenageia um dos grandes nomes brasileiros de todos os tempos, que é Vinícius de Moraes.  A mascote é inspirada na fauna brasileira. 


Há…

Álbum de Figurinhas da Euro 2016 é lançado pela Panini

A poucos meses do início de mais um campeonato europeu de seleções, a Panini, em parceria com a UEFA, lança o álbum oficial da competição. A coleção traz todos os detalhes do torneio que será disputado na França e conta com todas as equipes participantes. São 680 figurinhas, distribuídas pelas 96 páginas, que contam história da competição, dos estádios e das 24 seleções participantes.

A Panini é a líder mundial de produtos colecionáveis. Criada na Itália, a editora chega a muitos países sendo a responsável, inclusive, pelas principais coleções esportivas, como Copa do Mundo e torneios FIFA, Olimpíadas, e campeonatos nacionais, como o Brasileirão, além das revistas oficiais de clubes. A Euro 2016 será a décima a ter álbum lançado pela Panini.



Em relação as últimas coleções, a de 2016 chega com algumas novidades. A primeira e mais evidente é a de número de participantes, que será disputada com 24 equipes (até a última edição, o número era 16). São dedicadas duas páginas inteiras para c…

7 Livros sobre Futebol no Google Play (4 deles, de graça!)

A tecnologia como parte da nossa vida é uma realidade. Mudamos nossos hábitos e adquirimos novos costumes. O principal deles referente aos nossos hobbies, como, por exemplo, ler. Há quem ainda prefira (e me incluo entre eles) ter o livro físico e guardá-lo como um troféu na estante (tenho alguns bem legais aqui), mas é bem verdade que os ebooks são bem mais práticos e, em alguns casos, seus preços saem mais em conta.
As melhores frases do esporte — #OAlanbrado
Para quem ainda não conhece os livros digitais (ou não teve a oportunidade de encontrar algo legal para ler), #OAlanbrado reúne uma seleção de livros baratos — e alguns de graça — sobre futebol que são extremamente interessantes e que podem ser encontrados no Google Play. Claro, existem muitos outros livros (e em outras lojas virtuais), mas é bom para, pelo menos, começar a leitura por estes bons títulos.


A COPA COMO ELA É: A HISTÓRIA DE DEZ ANOS DE PREPARAÇÃO PARA A COPA DE 2014
Correspondente internacional, Jamil Chade é um do…