Pular para o conteúdo principal

Cinco meses jogados fora

Estamos em abril. Nos principais centros do país, os campeonatos estaduais "começam" agora. Mesmo assim, com todo o clima político que o Brasil atravessa, as "decisões" esportivas são deixadas de lado, afinal "emoção", emoção mesmo só mais para frente. Aí, os torneios acabam e começa o Campeonato Brasileiro. Passou da hora de reformular de verdade os Estaduais. Este martírio atrapalha nosso desenvolvimento e que equipes fortes se construam. Pior, a maioria destes torneios prejudicam ainda mais o desempenho dos "pequenos", graças as suas formas de disputa.

Começou neste final de semana a fase mata-mata do Campeonato Paulista. Há anos, o torneio é injusto e tenta "armar" semifinais com os quatro grandes do Estado. É possível fazer um panorama dos certames passados. Antes, o torneio era disputado em fase de pontos corridos simples em que o clube com maior número de pontos sagrava-se campeão. Outro grande sofrimento para qualquer torcedor acompanhar rodada a rodada.


Nos torneios seguintes, após uma longa primeira fase também de pontos corridos, apenas quatro das duas dezenas de clubes participantes avançavam para a semifinal.  Nenhum dos quatro grandes começa o ano "100%", por isso, inevitavelmente um "intruso" do interior tomava a vaga de algum destes "grandes".

Já tivemos finais com a presença de São Caetano, Guarani e Santo André. Não que isso seja ruim. Muito pelo contrário. Foi até bacana, pois o "truque" para o plano dos diretores da Federação Paulista, estes que não entendem nada de futebol, fazer uma decisão mais sugestiva para os interesses midiáticos fora por água a baixo.

Cesar Greco / Fotoarena/Palmeiras


Depois, este número aumentou para oito. Não tinha jeito de um grande fracassar e ficar de fora da fase decisiva. Até há pouco tempo, este formato foi alterado para o que temos hoje. Inspirado em formatos diferentes para o nosso padrão (como o do Campeonato Carioca), os clubes, divididos em grupos, enfrentam adversários na primeira fase fora de sua chave. Cada "grande" é cabeça de chave do seu grupo. Assim, o resultado é o mais lógico possível: eles encabeçam suas chaves, avançam, pegam o clube do interior nas quartas de final e, na semifinal, está lá: Santos, Corinthians, São Paulo e Palmeiras fazendo a disputa pela final. Ano passado deu certo.


O que falta é um pouco de coragem das pessoas para mudar. Sabemos que, durante os Estaduais, os clubes estão voltados para outros campeonatos mais importantes, como a Libertadores. Ter que conciliar estas duas competições, sem poder focar direito nos seus principais objetivos, desgastando-se e não podendo criar estratégias de montar equipes diferentes para cada torneio, prejudica imagem e desenvolvimento dos clubes. No final, ficam sem nenhum nem outro.

Este ano, por exemplo, o Palmeiras tinha a Libertadores e o Campeonato Paulista. Durante a disputa continental, correu o risco de ficar, inclusive, na zona de rebaixamento do Paulistão. Com duas grandes "bombas" para se livrar, o clube conseguiu avançar de fase no Estadual, mas foi eliminado, na primeira fase, da Liberadores.

Basta querer. E, assim como na política, precisamos de uma reforma. Vai começar o Brasileirão e as equipes que permanecem na Libertadores ou estão em fase final de torneios importantes, vão ter dificuldades de acumular pontos no início do torneio nacional. Esses pontos que, lá no final em dezembro, farão falta. Seja para conquistar vaga na Libertadores, ou pela disputa do título ou ainda para se livrar do rebaixamento. Tudo isso por mau planejamento. De janeiro a maio daria para ser feito algo bem mais produtivo. E pensem nisso: cinco meses são muito importantes para serem jogados fora desse jeito.

Leia Também


A falta de emoção (e público) dos Estaduais

Comentários

Posts mais acessados

Álbum de Figurinhas da Euro 2016 é lançado pela Panini

A poucos meses do início de mais um campeonato europeu de seleções, a Panini, em parceria com a UEFA, lança o álbum oficial da competição. A coleção traz todos os detalhes do torneio que será disputado na França e conta com todas as equipes participantes. São 680 figurinhas, distribuídas pelas 96 páginas, que contam história da competição, dos estádios e das 24 seleções participantes.

A Panini é a líder mundial de produtos colecionáveis. Criada na Itália, a editora chega a muitos países sendo a responsável, inclusive, pelas principais coleções esportivas, como Copa do Mundo e torneios FIFA, Olimpíadas, e campeonatos nacionais, como o Brasileirão, além das revistas oficiais de clubes. A Euro 2016 será a décima a ter álbum lançado pela Panini.



Em relação as últimas coleções, a de 2016 chega com algumas novidades. A primeira e mais evidente é a de número de participantes, que será disputada com 24 equipes (até a última edição, o número era 16). São dedicadas duas páginas inteiras para c…

Fruto da mercantilização dos Jogos, mascotes são destaques

Uma Olimpíada é marcada por muitos símbolos. Desde que os Jogos conquistaram grande visibilidade mundial, foram instituídos algumas características em cada edição para justamente haver uma identificação única de cada disputa.
Nas Olimpíadas, as mascotes são marcas registradas das edições. Adotada pela primeira vez em uma competição de Inverno (em Grenoble, na França, em 1968). Nos Jogos de Verão, o primeiro foi em 1972, nos Jogos de Munique. Em Copas do Mundo, o primeiro foi em 1966. na Inglaterra.
A mascote mais lembrada das Olimpíadas, sem dúvida alguma, é o ursinho Mischa, que representou os Jogos de 1980, nas disputas em Moscou. Na cerimônia de encerramento, a imagem formada pelo público nas arquibancadas derramou uma lágrima da mascote, emocionando a todos e sendo marcada para sempre.  
Para 2016, a mascote dos Jogos Olímpicos é Vinícius, que homenageia um dos grandes nomes brasileiros de todos os tempos, que é Vinícius de Moraes.  A mascote é inspirada na fauna brasileira. 


Há…

7 Livros sobre Futebol no Google Play (4 deles, de graça!)

A tecnologia como parte da nossa vida é uma realidade. Mudamos nossos hábitos e adquirimos novos costumes. O principal deles referente aos nossos hobbies, como, por exemplo, ler. Há quem ainda prefira (e me incluo entre eles) ter o livro físico e guardá-lo como um troféu na estante (tenho alguns bem legais aqui), mas é bem verdade que os ebooks são bem mais práticos e, em alguns casos, seus preços saem mais em conta.
As melhores frases do esporte — #OAlanbrado
Para quem ainda não conhece os livros digitais (ou não teve a oportunidade de encontrar algo legal para ler), #OAlanbrado reúne uma seleção de livros baratos — e alguns de graça — sobre futebol que são extremamente interessantes e que podem ser encontrados no Google Play. Claro, existem muitos outros livros (e em outras lojas virtuais), mas é bom para, pelo menos, começar a leitura por estes bons títulos.


A COPA COMO ELA É: A HISTÓRIA DE DEZ ANOS DE PREPARAÇÃO PARA A COPA DE 2014
Correspondente internacional, Jamil Chade é um do…