Pular para o conteúdo principal

Documentário aborda a relação da torcida com futebol moderno

Nos anos 80', o futebol atingiu um novo patamar. Em diversas partes do mundo, a inserção de patrocínios nas camisas foi permitida e o esporte passou a ser tratado, cada vez mais, como um produto, um negócio. A partir disso, o processo administrativo das grandes equipes, até certo ponto, melhorou. Estes que, por sua vez, viram seus valores de patrocínio e de contratos de TV aumentarem significativamente. Uma nova era no futebol.

O que poderia ser, finalmente, uma organização real do futebol no Brasil trouxe consequências não muito boas para algumas equipes e, principalmente, para o torcedor. A começar pela discrepância com que as grandes equipes foram favorecidas financeiramente frente as menores, criando campeonatos desequilibrados e que prejudicam a manutenção dos clubes com menor poder aquisitivo.

Ao mesmo tempo, o esporte se torna cada vez menos "do povo". O processo de "elitização" das arquibancadas tem como objetivo afastar o torcedor comum dos estádios. Não por ele simplesmente ser "comum", mas porque, na mente dos cartolas, ele não consome, o que prejudica a arrecadação dos times. Além disso, busca transformar o estádio (ou as novas Arenas) em um ambiente mais "seguro", impedindo de diversas maneiras o torcedor, veja só, de torcer.

Ou seja, tudo errado. E as discussões sobre os males do futebol moderno são muitas. Neste ponto, é importante ressaltar que a debate é bem mais amplo do que a relação clube/torcedor, mas é uma realidade vista na sociedade como um todo.

Neste cenário, não basta apenas criticar o futebol moderno. Assim como é equivocado marginalizar torcida organizada e achar que, extinguindo-a, acabará com a violência. O torcedor precisa ser tratado com respeito, é verdade, o que não significa, em hipótese alguma, limitar sua festa nas arquibancadas. Garantir conforto e segurança é responsabilidade dos clubes e das federações, porém isso não pode ser usado como justificativa para domesticar a maneira de acompanhar futebol, tornando estádios de futebol em teatros.



Recentemente, o documentário Adeus, Geral chamou atenção dos fãs de futebol pela sua abordagem, mostrando a visão do torcedor e conversando com pessoas de todos os tipos, desde analistas conceituados, esportistas, passando por dirigentes e integrantes de torcida organizada, e chegando até no torcedor comum.

O documentário é idealizado por 5 jovens do Ensino Médio e é apoiado por diversos blogs e sites esportivos. O trabalho conta como a relação da "elitização" dos estádios com aspectos econômicos, culturais e sociais da sociedade. Citando em sua maioria a Geral do Maracanã, o documentário conta as impressões e o lamento dos torcedores pelo fim deste espaço historicamente e nacionalmente conhecido.  

Adeus, Geral está disponível na íntegra na internet. As falhas no documentário ficam em segundo plano visto a maneira com que foi abordado o tema. O que vale é o debate, a discussão. 




Link do vídeo


Ficha Técnica

Adeus, Geral
Ano: 2016
País: Brasil
Idioma: Português
Gênero: Documentário
Direção: Gustavo Altman, Martina Alzugaray, Matheus Bosco, Pedro Arakaki, Pedro Junqueira
Página: Facebook/adeusgeral
Duração:  42' minutos


Leia Também


A falta de emoção (e público) dos Estaduais

Comentários

Posts mais acessados

Fruto da mercantilização dos Jogos, mascotes são destaques

Uma Olimpíada é marcada por muitos símbolos. Desde que os Jogos conquistaram grande visibilidade mundial, foram instituídos algumas características em cada edição para justamente haver uma identificação única de cada disputa. Nas Olimpíadas, as mascotes são marcas registradas das edições. Adotada pela primeira vez em uma competição de Inverno (em Grenoble, na França, em 1968). Nos Jogos de Verão, o primeiro foi em 1972, nos Jogos de Munique. Em Copas do Mundo, o primeiro foi em 1966. na Inglaterra. A mascote mais lembrada das Olimpíadas, sem dúvida alguma, é o ursinho Mischa, que representou os Jogos de 1980, nas disputas em Moscou. Na cerimônia de encerramento, a imagem formada pelo público nas arquibancadas derramou uma lágrima da mascote, emocionando a todos e sendo marcada para sempre.   Para 2016, a mascote dos Jogos Olímpicos é Vinícius, que homenageia um dos grandes nomes brasileiros de todos os tempos, que é Vinícius de Moraes.  A mascote é inspirada na fauna brasi

7 Livros sobre Futebol no Google Play (4 deles, de graça!)

A tecnologia como parte da nossa vida é uma realidade. Mudamos nossos hábitos e adquirimos novos costumes. O principal deles referente aos nossos hobbies, como, por exemplo, ler . Há quem ainda prefira (e me incluo entre eles) ter o livro físico e guardá-lo como um troféu na estante (tenho alguns bem legais aqui), mas é bem verdade que os ebooks são bem mais práticos e, em alguns casos, seus preços saem mais em conta. As melhores frases do esporte — #OAlanbrado Para quem ainda não conhece os livros digitais (ou não teve a oportunidade de encontrar algo legal para ler), #OAlanbrado reúne uma seleção de livros baratos — e alguns de graça — sobre futebol que são extremamente interessantes e que podem ser encontrados no Google Play . Claro, existem muitos outros livros (e em outras lojas virtuais), mas é bom para, pelo menos, começar a leitura por estes bons títulos. A COPA COMO ELA É: A HISTÓRIA DE DEZ ANOS DE PREPARAÇÃO PARA A COPA DE 2014 Correspondente internac

Álbum de Figurinhas da Euro 2016 é lançado pela Panini

A poucos meses do início de mais um campeonato europeu de seleções, a Panini , em parceria com a UEFA , lança o álbum oficial da competição. A coleção traz todos os detalhes do torneio que será disputado na França e conta com todas as equipes participantes. São 680 figurinhas, distribuídas pelas 96 páginas, que contam história da competição, dos estádios e das 24 seleções participantes. A Panini é a líder mundial de produtos colecionáveis. Criada na Itália, a editora chega a muitos países sendo a responsável, inclusive, pelas principais coleções esportivas, como Copa do Mundo e torneios FIFA , Olimpíadas , e campeonatos nacionais, como o Brasileirão , além das revistas oficiais de clubes. A Euro 2016 será a décima a ter álbum lançado pela Panini . Em relação as últimas coleções, a de 2016 chega com algumas novidades. A primeira e mais evidente é a de número de participantes, que será disputada com 24 equipes (até a última edição, o número era 16). São dedicadas duas páginas