Pular para o conteúdo principal

Propostas de mudanças em torneios mostram que ninguém está satisfeito

"A diferença entre o calendário do futebol brasileiro e um calendário de borracharia é que, no da borracharia, a pelada é melhor". A frase, popularizada pelo apresentador do extinto Rockgol, Marco Bianchi, já tem muitos anos, mas permanece sempre atual. 

Recentemente, tanto Conmebol, CBF e até a FIFA já sinalizaram para fortes e significativas mudanças em relação aos seus torneios e calendários. O que se ouviu até agora não agradou todo mundo. Porém, deixam claro que não só apenas os torcedores e jogadores reclamam do calendário futebolístico atual. Além das próprias federações, os patrocinadores e quem está ligado de alguma forma com o esporte também pedem por mudanças.

Isso tudo para tornar o futebol mais atrativo. Entretanto, é importante ressaltar, que muitas dessas mudanças propostas tem um fundo político, o que, ao final, pode inchar ainda mais o ano dos clubes, e, em consequência, atrapalhar cada vez mais o espetáculo. Por isso, propor mudanças são interessantes pela discussão e são bem-vindas quando debatidas publicamente e com objetivos claros.



Pegando o futebol brasileiro como exemplo. É inquestionável a necessidade de mudança que precisa ser feita nos campeonatos estaduais. Extinguir seria radical e não é a solução. Pela tradição que muitos torneios têm e por esses serem uma das poucas oportunidades de equipes menores terem atividades durante o ano, acabar com os estaduais pode ser arriscado. Diminuir a presença dos grandes para a reta final pode ser um dos caminhos.

Para as equipes grandes, dar foco no campeonato nacional é imprescindível. Fortaleceria tanto a disputa quanto a rivalidade que dá audiência e torna o torneio interessante. 

É uma discussão longa, mas necessária. As federações não podem se curvar aos interesses gananciosos, mas sim fazer o melhor em virtude dos protagonistas que fazem o futebol o que é, no caso, os torcedores e os jogadores. 

Não dá para esperar que o futebol melhorará muito por conta desse movimento que estamos vivenciando. A descrença vai pelo retrospecto e pela credibilidade que essas mesmas federações têm. Criar torneios fortes, sem prejudicar os clubes e torcedores, é o objetivo. 

A esperança é que haja também mudanças na administração que eliminem esses corruptos. É uma visão utópica, mas necessária. 

Leia Também


Comentários

Posts mais acessados

Fruto da mercantilização dos Jogos, mascotes são destaques

Uma Olimpíada é marcada por muitos símbolos. Desde que os Jogos conquistaram grande visibilidade mundial, foram instituídos algumas características em cada edição para justamente haver uma identificação única de cada disputa. Nas Olimpíadas, as mascotes são marcas registradas das edições. Adotada pela primeira vez em uma competição de Inverno (em Grenoble, na França, em 1968). Nos Jogos de Verão, o primeiro foi em 1972, nos Jogos de Munique. Em Copas do Mundo, o primeiro foi em 1966. na Inglaterra. A mascote mais lembrada das Olimpíadas, sem dúvida alguma, é o ursinho Mischa, que representou os Jogos de 1980, nas disputas em Moscou. Na cerimônia de encerramento, a imagem formada pelo público nas arquibancadas derramou uma lágrima da mascote, emocionando a todos e sendo marcada para sempre.   Para 2016, a mascote dos Jogos Olímpicos é Vinícius, que homenageia um dos grandes nomes brasileiros de todos os tempos, que é Vinícius de Moraes.  A mascote é inspirada na fauna brasi

7 Livros sobre Futebol no Google Play (4 deles, de graça!)

A tecnologia como parte da nossa vida é uma realidade. Mudamos nossos hábitos e adquirimos novos costumes. O principal deles referente aos nossos hobbies, como, por exemplo, ler . Há quem ainda prefira (e me incluo entre eles) ter o livro físico e guardá-lo como um troféu na estante (tenho alguns bem legais aqui), mas é bem verdade que os ebooks são bem mais práticos e, em alguns casos, seus preços saem mais em conta. As melhores frases do esporte — #OAlanbrado Para quem ainda não conhece os livros digitais (ou não teve a oportunidade de encontrar algo legal para ler), #OAlanbrado reúne uma seleção de livros baratos — e alguns de graça — sobre futebol que são extremamente interessantes e que podem ser encontrados no Google Play . Claro, existem muitos outros livros (e em outras lojas virtuais), mas é bom para, pelo menos, começar a leitura por estes bons títulos. A COPA COMO ELA É: A HISTÓRIA DE DEZ ANOS DE PREPARAÇÃO PARA A COPA DE 2014 Correspondente internac

Álbum de Figurinhas da Euro 2016 é lançado pela Panini

A poucos meses do início de mais um campeonato europeu de seleções, a Panini , em parceria com a UEFA , lança o álbum oficial da competição. A coleção traz todos os detalhes do torneio que será disputado na França e conta com todas as equipes participantes. São 680 figurinhas, distribuídas pelas 96 páginas, que contam história da competição, dos estádios e das 24 seleções participantes. A Panini é a líder mundial de produtos colecionáveis. Criada na Itália, a editora chega a muitos países sendo a responsável, inclusive, pelas principais coleções esportivas, como Copa do Mundo e torneios FIFA , Olimpíadas , e campeonatos nacionais, como o Brasileirão , além das revistas oficiais de clubes. A Euro 2016 será a décima a ter álbum lançado pela Panini . Em relação as últimas coleções, a de 2016 chega com algumas novidades. A primeira e mais evidente é a de número de participantes, que será disputada com 24 equipes (até a última edição, o número era 16). São dedicadas duas páginas